segunda-feira, 21 de maio de 2018

A minha filha quer dormir no chão (no chão mesmo!)

E por chão, entenda-se chão mesmo. Tapete no máximo. Se lhe ponho um edredão ou colchão fininho, na tentativa de lhe dar mais algum conforto, ela recusa.

Eles têm com cada mania, não têm? A Luísa tem sido uma caixinha de surpresas.

Já pensámos que pudesse ser calor, mas mesmo com pouca roupa, a meio da noite - e às vezes logo ao início - pede para ir para o chão. Às vezes nem pede e vai sozinha. Com ou sem almofada.


Será de ter começado a dormir no chão no colégio? Será que lhe dá mais segurança?


Não faço a mínima ideia, mas eu cá não gostaria de estar a dormir nem sobre o soalho, nem sobre um tapete. Não acho sequer muito higiénico, se me ponho a pensar nos ácaros e bichezas que por ali andam (não aspiro todos os dias...). Às vezes lá aceita que ponha o lençol sobre o tapete, mas é sempre um forrobodó durante a noite. Ainda por cima ela é bem espaçosa e já chegou a enfiar-se debaixo da minha cama! Ahah isto é de loucos.

Decidi escrever este post na esperança que me dissessem que conhecem o filho do primo do enteado do leiteiro que também tem a mesma mania e como a solucionaram. Mesmo não sendo um problema, não é nada de especial, não faço ideia do que faça: deixo que a panca lhe passe, ponho um colchão maior no chão...?

A Isabel dorme numa cama daquelas montessoriana no chão mas, já aconteceu, a Luísa ir lá ter a meio da noite, mas quando acordámos já estava no chão mesmo. Propositadamente (sim, não é por cair)...


Coisa mais fofinha de sua mãe

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

Também fazem estas figuras?

Achei tudo muito giro quando na escola da Irene me disseram que ia haver um teatro surpresa para eles. Os pais tinham de mascarar de qualquer coisa (no meu caso, fui um galo) e de fazer o teatro da "Cabra Cabrês". Eles não podiam saber de nada. 

E não souberam. 

A Irene e o tiggy gostaram :) 


Aparecemos em palco (para eles e mais umas turmas penetras) e foi delicioso. Até para mim. Pude ver homens de gravata a fazerem de cães, senhores de óculos a fazerem de cabra, outros a fazerem de flores, uma mãe ainda a recuperar de uma virose a rugir com toda a força do mundo para impressionar a audiência, caramba.

O meu galo, segundo ouvi dizer - tenho uma espécie de blackout sobre o que faço depois de estar "em palco" - foi um galo cheio de sangue nortenho. Em que, para expulsar o Cabra Maltês da casa do coelhinho, me subiu a veia minhota e até mão na anca pus. Tenho recebido os parabéns de muitas pessoas que trabalham na escola e era para isso mesmo que serviu o teatro. Para dar uma abadona em todos os galos que já tenham passado por ali e os que ainda virão - brincadeira, pá!. 

Agora já não tenho credibilidade nenhuma. Quero ver um dia em que tenha de me chatear com alguma coisa e me estejam a imaginar estas figuras. 




Para os pais mais tímidos isto deve ser uma situação horrível, mas deve dar sempre para se refugiarem em papéis menos interactivos :) 

Quero ver quando for para me chatear... ahahah :)


domingo, 20 de maio de 2018

A roupa que temos vestida é especial. Muito.

Conheci este projecto através da minha vizinha do rés-do-chão, quando éramos crianças. Ainda agora estávamos a brincar com as pollypocket dela (eu nunca tive, mas ela emprestava-me tudo, uma querida) e agora tenho eu duas filhas com a nossa idade, ou quase, e está ela a abraçar um projecto fantástico de voluntariado em Marraquexe. Impossível ficar indiferente a isto: Al Nour

Al Nour significa "a luz" em árabe. Patricia Kahane, austríaca, deparou-se com a necessidade de criar, em Marrocos, um projecto que envolvesse o público feminino com deficiência e o integrasse no mercado de trabalho, apostando na igualdade de género e na independência da mulher. É já por si difícil uma mulher conseguir emprego, por razões culturais, mas caso a mesma nasça ou se torne, por acidente, deficiente, as suas oportunidades diminuem consideravelmente. Deparada com esta realidade, Patricia investiu nesta empresa social, em Marraquexe, que proporciona a uma equipa de artesãs um emprego digno, salário mensal, segurança social, seguro de saúde, transporte privado, refeições diárias, serviço de creche, formação contínua em diversas temáticas, aulas de árabe, acompanhamento psicológico e um espaço de trabalho com uma infraestrutura devidamente adequada às suas necessidades. Isto bastava para uma pessoa se deliciar com o projecto, mas ainda não viram nada. O trabalho que sai das mãos destas mulheres é uma maravilha. Mãos que trabalham tecidos que vêm da Europa (os mais simples de linho, algodão ou lã) ou de Marrocos e Índia (as sedas e caxemiras, respeitando as leis do comércio justo) através de técnicas tradicionais, ancestrais da Berber. Há peças para criança, bebé, homem, mulher, de decoração e acessórios. Além de um vestido para mim e para as miúdas, encomendei um cestinho para o pão tão bonito! 














Luísa
 - 
vestido Loubna

Isabel - vestido Milli em branco

Joana - vestido Paola

Cesto de pão - Panini

Percam 8 minutos para ver este vídeo absolutamente inspirador, chamado Blessing, sobre algumas destas mulheres - disseram a uma delas que não era um ser humano... - sobre conquista, superação e sobre esperança.


Sigam este projecto em:

Partilhem. Contribuam. E, além de vocês, se souberem de alguém a precisar de comprar roupa de cama, de banho, para pousadas, hotéis, airbnb, o que seja, já sabem onde encomendar.
Escolhem através do site e depois encomendam através do email, é bem simples. É por uma causa muito especial ❤


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Peguem ao colo!

"Peguem! Peguem nele!! Andem lá, vá! Peguem lá!"

Parecia que estava a ver um jogo de futebol e que percebia alguma coisa do assunto - percebo tão pouco que, quando me perguntam de que clube sou, digo que sou do Estrela da Amadora (riem-se, mas ainda nem sei bem porquê ;)). Não estava a julgar ninguém, estava tão afilita como certamente cada uma de vocês ficará quando ouve um bebé pequenino a chorar durante muito tempo. A mim pareceu-me muito. O choro da minha filha entrava-me tipo agulha nos ouvidos, mas confesso que, desde que fui mãe, o choro de todos os bebés mexe ainda mais comigo. 

(sabiam que estamos mesmo ligadas aos nossos bebés ao ponto do choro deles nos afectar muito mais do que a qualquer outra pessoa?)

Era um casal de pais. Não sei a história, não faço a mínima ideia. Sei apenas o que a minha cabeça inventou para preencher a lacuna. E a história que inventei foi que eram pais do primeiro filho e que pareciam querer continuar com a vida deles como se o bebé não lhes tivesse "tirado nada". 

"Temos de continuar a passear, a ir às compras, a viajar...". 

Acho que muitas de nós sofrem desta pressão por se ver tantas mães por aí a fazer isto e só se conhecer o lado positivo. A verdade é que também há mães que conseguem fazê-lo e serem muito calmas com tudo isso, mas este não era o caso. 

O bebé estava a ser transportado no carrinho de bebé e chorava desalmadamente. O pai e a mãe estavam à espera que o elevador chegasse, abrisse, mas estava a passar uma eternidade. O pai tentava acalmar o miúdo pondo-lhe a chucha na boca. A mãe parecia-me hirta, provavelmente ainda a tentar processar tudo o que tinha acontecido na vida dela nos últimos dias/meses. 

O bebé continuava a chorar. O pai a tentar a chucha. A mãe sem alma (tantas nos podemos relacionar com isto, caramba). O bebé gritava. 

O elevador não vinha. Nunca mais. 

Finalmente o pai pegou nele ao colo. O bebé parou de chorar. 

Eventualmente chegou o elevador. Não sei se o bebé terá voltado a chorar ou nem por isso. Sei que parou e que foi uma tentativa maravilhosa de consolar o bebé: dando-lhe colo. 

Vi que, numa equipa, quando um não pode/não consegue/não vê, o outro tem um papel fundamental de se chegar à frente, dando a resposta que será sempre a certa: amor. 

Vi também que, muitas vezes, achamos que sabemos o que os bebés precisam, que estarão a chorar, por exemplo, porque querem ser alimentados e, como não temos ali oportunidade, achamos ser preferível deixá-los no carro a chorar por não "podermos ajudá-los". Mas podemos. 

Mesmo que continuem a chorar, é sempre melhor chorar ao colo da mãe. Ou do pai. Ou de quem goste dele e que ele saiba. 

Parece óbvio a quem já dorme alguma coisa de jeito e a quem já terá as hormonas mais calmas, a quem tenha a vida mais resolvida, a noção de si menos atrapalhada, mas há sempre uma recém mãe, um recém pai, avó ou o que for que... no meio da gritaria, não consegue que o colo seja algo a surgir. 

Pode surgir, porra. Pode surgir mesmo enquanto se aquece o biberão ou enquanto se baixa o estore para o adormecer ou enquanto... nada porque pode ser só (que é tanto) vontade de colo.

E melhor: é preciso precisarem de colo para darmos? 

Não há colo a mais. 


E recém mães e pais, não tenham pressa. A vida um dia parecerá arrumada qb na mesma, organizada na mesma, mesmo que queiram ir às compras e o bebé não aguente ou não "vos deixe". Dêem-se tempo. Aos 3. Ou 4 :) 




Temos de gostar tanto de nós como deles.

Uma das maneiras mais claras de ver quando gostam de nós é pelo cuidado, pelo mimo, pela atenção. A forma como trato a pele da Irene (porque precisa de cuidados especiais por ter pele atópica) é também uma forma de a amar.

Agora, pensemos juntas, nós também merecemos estes cuidados e amor. Não só de quem nos ame, mas também de nós próprias. A forma como olhamos para eles e a atenção ao detalhe deveria ser a mesma connosco (até porque se estivermos mais felizes, vamos ser mães melhores, etc.). 

E por isso, por nós e por eles, La Roche-Posay e a Mãe é que sabe têm dois kits Lipikar para vos oferecer (cada um é constituído por 1 Lipikar Baume AP + 1 Syndet AP + 1 Stick Lipikar AP+). Fica um aqui para o Facebook e outro para o nosso instagram, por isso tentem a vossa sorte também :) 

Podem saber mais sobre o Stick Lipikar AP+ que ajuda a Irene a deixar de ter "pulgas" aqui ou então verem o vídeo que fiz aqui


Mais sobre a rotina de banho da Irene e sobre como isso me fez apaixonar ainda mais por ela aqui



Este é o creme que lhe ponho depois do banho e que uso para lhe fazer massagens (eles também merecem, até porque pode ser que cresçam e depois queiram fazer-nos hehehe).

Já chega de fotos lindonas tiradas aqui pela je depois de fingir que o enquadramento está todo natural e que tenho sempre a casa assim com os cremes nos sítios onde estão? Óptimo. 


Então vamos lá tratar deste regalito para vos ostras (ahah tem mais piada assim).

Têm que (sff, ahah): 

👉🏻 Seguir-nos, à Mãe é que Sabe, no Facebook (espero que já esteja), aqui.

👉🏻 Seguir La Roche-Posay no Facebook aqui.

👉🏻 Taggar três amigas (ou amigos ou conhecidos ou pessoas que até nem simpatizem muito, vá) no post de Facebook que está aqui em baixo (quando o passatempo estiver activo por volta das 20h).




👉🏻 Partilhar, publicamente, o post fe Facebook (o que está aqui em cima) no vosso perfil. Se não for publicamente, miúdas, é factor de descoiso.

👉🏻 Daqui a uma semana divulgaremos as vencedoras em comentário à participação no post do Facebook e a agência tratará do envio das coisas. 


Não se esqueçam que podem sempre tentar a vossa sorte no nosso instagram também. ;)

Força, boa sorte e caso os vossos filhos e vocês tenham peles "especiais", por favor conheam o Guia dos Pais que não só poderá ajudar no diagnóstico como nas recomendações ideais para cada caso. :) 


É um pouco isto.

Quando o teu filho adormece, fica na cama e consegues sair do quarto em pézinhos de lã sem que ele acorde.


via GIPHY

Quando finalmente vais ver a tua série (Safe, na Netflix), depois de lhes teres dado banho, brincado, dado jantar, adormecido e arrumado a cozinha.



via GIPHY

Quando a tua filha te pergunta o que estás a comer e são doritos, chocolates ou restos de gomas que vêm naqueles saquinhos do demo das festas de anos. São bróculos, filha, queres?


via GIPHY

Quando te dizem que o teu filho vai ficar muito mimado por lhe dares muito colo.


via GIPHY

Quando alguém se oferece para te ficar com as crianças para ires ao cinema ou jantar.


via GIPHY

Quando insinuam que não estás a educar bem o teu filho.


via GIPHY

Quando te esfregam na cara que o filho já dorme a noite toda, sabe contar até 467 mil e já sabe as cores em mandarim.


via GIPHY

Só porque sim. Não precisam de agradecer.


via GIPHY


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Estou K.O.!

Assumo, dei o berro. Nem mesmo depois de um fim-de-semana prolongado, a dormir bem durante quatro noites, recuperei. Quem não dorme convenientemente há quatro anos, como eu, sabe o que isto é. Há quem diga que se habitua, eu nunca me habituei. Não entro em delírio (mas já me passei e até gritei!), não vou para a rua de pijama (se bem que nem era uma má ideia, às vezes, ir dormir para o carro), não passo o dia inteiro a queixar-me e a carpir o quão difíceis são as nossas noites – ora porque a Isabel tem pesadelos, ou sede, ou chichi; ora porque a Luísa quer leite, colo, ou ir dormir para o chão, o que calhar, ora porque alguma tem tosse, ou as duas…- mas nunca me senti tão cansada. Nem mesmo depois de noitadas e noitadas a estudar para os exames da faculdade.

Não me sinto tão lerda como na gravidez (alguém sentiu o cérebro a carcomer-se todo e a ficarem sem memória?), mas também sei que não estou na minha melhor forma. Demoro mais um bocadinho, às vezes sinto que não estou criativa e tenho menos paciência, no geral. E eu que era uma pessoa muito positiva, divertida e de sorriso na cara para os colegas… às vezes tenho a sensação de que me devem achar mal-encarada.

Estou, pela primeira vez na vida, a tomar suplementos. Num mundo perfeito, alimentava-me sempre bem, fazia exercício diário e dormia bem (ahah que piada!), mas nem sempre consigo. Por isso, reforço o pequeno-almoço com um comprimido de Viterra Mulher (porque há vários: para bebés, crianças, adolescentes, homens, desportistas, mais de 55 anos, o clássico e agora um tal de Viterra Max Energy, novidade da marca, que se toma sem água, porque basta colocar o pó da saqueta na boca). O Viterra Mulher tem uma série de componentes que me ajudam a reduzir o cansaço, como a vitamina B12, o ferro e o ácido pantoténico que contribuem para um normal metabolismo produtor de energia, além de ter muitos outros minerais e vitaminas, com reguladores hormonais e antioxidantes da pele (ansiosamente à espera que estas unhas voltem a ser duras e fortes).

Sim, o sono e o cansaço mexem com tudo isto. E entra-se às vezes numa espiral que nos enrola e que é muito difícil de combater: pouca vontade de fazer comida, de comer bem e, já se sabe, a energia é cada vez menos se não a vamos buscar aos sítios certos e sentimo-nos incapazes e deprimidas.

Já estou a reverter a situação. Ainda acordo duas ou três vezes por noite mas já não sinto que me passam dois camiões por cima, já passa só um. A caminho da Joana esperta e divertida. Fresca e fofa.


Colegas do trabalho, eu sou fixe, a sério que sou.





Os produtos da gama Viterra são SUPLEMENTOS ALIMENTARES. Não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado e equilibrado e de um estilo de vida saudável. Não exceder a toma diária recomendada. Manter fora da vista e do alcance das crianças. O consumo dos produtos não é recomendado em caso de hipersensibilidade a qualquer um dos ingredientes. Para mais informações consultar a rotulagem.



*Post escrito em parceria com a agência de comunicação


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

terça-feira, 15 de maio de 2018

Afinal era tudo mentira!

Confesso que não "perdi" muito tempo a reparar no que imaginava com a maternidade. Lembro-me vagamente de algumas coisas do meu irmão Pedro - que agora é um borracho de 22 anos, principalmente que raramente parecia querer comer, mas não me lembro de conscientemente ter retirado a conclusão que "não quero ter filhos, que isto é horrível".  Aliás, depois dele até cheguei a ter vontade de ser mãe e de constituir família, mas depois desapareceu. Cansei. Era um sonho demasiado grande para estar a aguentar todos os dias. 

No entanto, acho que, de acordo que aquilo que vamos fantasiado e que nos vão vendendo achamos que: 


1 - Os bebés recém nascidos são super calminhos e bem-cheirosos.

Talvez por causa daquele tipo de fotografias em que os enfiam num cesto ou em cima de uma ovelha. Estão tão adormecidos que, para mim, até fica demasiado esquisito, como se alguém se tivesse esquecido deles quando foi algures e ficaram ali postos, tipo chaves de casa. 

Anne Geddes

2 - Dar de mamar é uma experiência só incrível e amorosa. 

Também é, mas pode começar por não ser. E tem momentos em que não é de certeza. Ficamos com algumas imagens na cabeça e, depois, não é bem assim. Acabamos por achar que o problema é nosso e que nada funciona bem no nosso corpo quando o percurso pode ser acidentado. 

Kimberlin Gray 
Nestas fotos das mulheres a dar de mamar por entre as sebes penso sempre que foi um tipo creepy a ver e que até pôs um filtro giro no VSCO (app de edição de fotografia) depois quando guardou a fotografia.

3 - As mães estão sempre impecáveis

Como só publicamos - mea culpa também - fotografias em que estejamos todas tesudonas e de baton vermelho (tipo isso, mas não necessariamente sempre), quando andamos pela casa a cheirar a leite azedo, a tomar banho em toalhitas por não conseguirmos ter tempo para tomar banho ou com cheiro a 10 fraldas com cocó na cozinha, achamos que somos desorganizadas e que não temos jeito para sermos mães. 



Gosto de imaginar que da cintura para baixo está com umas calças de pijama com cheiro a humidade por não ter secado bem, que não faz as virilhas há meses e que tem as unhas dos pés cheias de cutículas com os calcanhares todos gretados.

4 - Eles são uns anjinhos

Claro que sim. Ninguém consegue - ou tem vontade - tirar-lhes fotografias quando estão a fazer birras enormes para adormecer, a espernear, em loop por já estarem tão desorientados que já nem conseguimos fazer grande coisa, nem eles. Então, quando muito, temos fotografias quando eles já estão a dormir, que é quando o amor nos volta a surgir também haha. 

Getty + GK Photo



5 - Dá para continuar a nossa vida de igual maneira quando se tem um bebé

Claro que as fotografias que se vão publicar na internet são naqueles momentos de frescura em que se anda por aí com eles, mas ninguém sabe que estamos em contagem decrescente para a sesta ou para o próximo biberão ou mamada. Ou ninguém sabe se a fralda do bebé está mesmo limpa ou se ele está com tosse ou se fez febre ontem ou se vão a caminho do hospital mais próximo. Nós é que fazemos a história. Claro que, se a localização for o Dubai ou Bali não dá grande margem para dúvidas. 
Além disso, não nos esqueçamos, há malta que amas que ajudam a cuidar dos bebés ou avós muito presentes e envolvidas em toda a dinâmica e, com um staff grande, tudo é mais simples. :)





Se calhar eles até estiveram a discutir a noite toda para ver quem é que o ia acalmar daquela vez ou ela estava aborrecida porque queria ir sair com as amigas e ele disse que nesse dia jogava o Benfica e que não lhe dava jeito.


"Só quem está na casa é que sabe o que se passa lá dentro" já diziam TODOS os concorrentes da Casa dos Segredos mas que, provavelmente, seria mais "Çó quem está na caza é q sabe o q se paça lá dentruh".