segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Fui abençoada.

Calma, calma, que ainda não vi "a luz". Não tem que ver com isso.

Na sexta-feira, quando fui buscar a Irene, tinham acabado de festejar o aniversário de um dos amiguinhos dela. Fez dois anos. Fiquei à porta da sala para observar o ambiente, felicitei a mãe e, de repente, reparei no bolo.

Houve bolo. 

Não que a Irene nunca tenha comido porcaria. Nunca comeu até aos dois anos. É um facto. Continua a "não comer", mas não está proibida nem vejo isso com um horror enorme como via no início. Estou a descobrir o nosso equilíbrio como vos contei neste post.

Quando vi o bolo, reparei que ainda só tinha dado indicações para não darem cereais açucarados à Irene e ainda não lhes tinha dito o que fazer quando houvesse festas de aniversário. Tenho estado muito mais preocupada com coisas mais importantes (a adaptação dela a escola) que isso nem me tem passado pela cabeça. 

Vi o bolo. E saiu-me "ahhh e houve bolo também!". 

Esta mãe, amorosa, olhou-me nos olhos (sabendo o que estaria a correr em background no meu pequenino, mas esforçado cérebro) disse: "não tem açúcar, não tem leite, não tem glúten, não tem...". Apeteceu-me abraça-la, não por ter um ar muito lavadinho e querer saber a que ela cheirava, não por estar em pânico pela Irene ter comido bolo (não estava), mas sim por ter pensado na festa de aniversário desta forma. 

Levou um bolo saudável para a festa de aniversário do filho na escola. É o que irei fazer também. 

Obrigada esta mãe. ;)  



A Irene histérica com as pinturas faciais numa festa de aniversário ontem. Sou só eu que acho que lhe desenharam espermatozóides na testa? 
Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)

90 comentários:

  1. Ahahah que delícia de mãe! pena que nem todas as maes pensem assim, pena que a maioria das creches nao tenha determinados cuidados..E bem q parecem um pouco espermatozoides agora que falou nisso! Ahahah

    ResponderEliminar
  2. ahaha eu tb vejo um espermatozoide! Coisa mais linda, a tua Necas. E palminhas para essa mãe!!! :D

    ResponderEliminar
  3. "Espermatozóides na testa" ahahahah! Farto-me de rir com os seus posts��! Mas quanto à parte séria da coisa, acho que cada vez mais as pessoas fazem escolhas conscientes e cuidadosas acerca da alimentação das crianças ☺️! Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá Joana! Sou mãe de um pilas de 4 anos e uma menina de 4 meses. Parece-me lindamente esta fase da evolução humana em que promovemos ao máximo a alimentação saudável. Mas ao mesmo tempo penso sinceramente que o fundamentalismo começa a ganhar ao bom senso. A não ser que uma criança seja efectivamente alérgica a determinado ingrediente/alimento, qual é o drama de comer uma mini fatia de bolo de aniversário muito de vez em quando? Bolo sem açúcar, sem farinha, sem gluten, sem leite, sem manteiga....really? Deve ser um bolo delicioso...
    Isso e a moda da quinoa tiram-me do sério. Mesmo sabendo que és fã :)
    A leitora que tenha alguma receita deste tipo de pseudobolos que seja deliciosa, por favor partilhe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu filho tem 2 anos e 9 meses e já provou porcarias q.b.
      É doido por chocolate e está sempre a pedir. Costumo engana-lo com um bolo de alfarroba na caneca e ele adora...
      1 banana
      1 ovo
      2 col sopa farinha de alfarroba
      1 col sopa amêndoa ralada

      Passar tudo na varinha mágica e levar 3m ao microondas na potência maxima. Uma delicia!!

      Eliminar
    2. Eu não diria melhor...

      Eliminar
    3. Pois um bolo assim so pode ter... laranja como o da joana!

      Eliminar
    4. Compreendo o que a B@azinha quer dizer, também sou contra fundamentalismos, mas o problema é que esta não é uma situação que ocorre muito de vez em quando... pelo menos no Jardim de Infância da minha filha há miúdos a fazer anos todas as semanas e não nos podemos esquecer dos dias "especiais"...ah é dia da criança, toma batatas fritas ao almoço, ah é Carnaval, toca de fazer uma pinhata de chocolates para os miúdos, ah e faz anos o avô, a avó, os 20 primos, os tios, os amigos dos pais, os filhos dos amigos dos pais, etc e tal! Se formos a contabilizar os dias "especiais" em que existe bolos e todos esses alimentos "desnecessários" chegamos à conclusão que são muitos mais do que imaginamos!

      Eliminar
    5. Já eu discordo do anon das 10:04h, tirando as festas de aniversário e o último dia de aulas na escola do meu filho não há dias especiais. Não sei como é em todas as escolas mas parece-me que está a exagerar imenso.

      Além do mais, dietas sem gluten em crianças não-alérgicas não lhes fazem bem nenhum, só mal. Evitar a lactose é uma coisa, assim como outros produtos da moda como as sementes de quinoa e afins em excesso (existem evidências cientificas que mostram que podem provocar cancro quando consumidas em excesso).
      Agora tirar coisas que só fazem mal a quem é alérgico? Isso é moda e querer seguir tudo menos uma dieta saudável - a dieta mais saudável não é aquela que nos leva a ingerir excessivamente sementes para as quais o nosso organismo mal está preparado...e como tudo o que é em excesso, estudos recentes tem demonstrado que a maioria em excesso faz muito mal.


      Já para as crianças, acho normal e bem que se evitem doces mas gostava que lessem uns artigos cientificos para perceberem que o gluten é importante para os nossos filhos. Não se deve inserir na alimentação cedo de mais mas retirar? preferir produtos sem gluten? Isso não é uma alimentação saudável.

      Eliminar
  5. Nem sei mas adorei o comentario sobre a pintura da testa...:-) :-) :-) obrigada pela gargalhada q dei!!!! A sua Irene é linda...:-)bjbj

    ResponderEliminar
  6. Quanto ao bolo, é óptimo saber que cada vez mais pais têm essa preocupação. Já fui de evitar mais (tem 3 anos), agora não proíbo mas também não incentivo a que coma "porcarias".
    Quando ao desenho, sim acho que desenharam, mas esquece isso, está tão linda :-)

    ResponderEliminar
  7. Não ia comentar, mas visto que foi a Joana que disse... sim parecem espermatozóides. Sorry pela minha mente mas foi logo o que me pareceu... :)

    ResponderEliminar
  8. Que bom! :) Lá está ideia mesmo muito boa e que respeita totalmente a vontade das mães que não dão açúcar aos filhos.
    Vou fazer o mesmo para a creche da minha filha mais velha.
    Agora preciso é de uma boa receita de um bolo que seja saboroso e já agora bonito, que os olhos também comem.
    Se alguém tiver uma para partilhar... faça favor. :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha experiência com este tipo de bolos é bastante má.
      Tenho um filho com alergia muito grave a algumas substâncias (proteína do leite de vaca, proteína do ovo, laranja, kiwi, entre outros).
      Já experimentei muitas receitas de bolos que não utilizam "quase nada", são muito biológicos e recomendadíssimos para crianças, e são francamente maus.
      Pelo menos para mim. O meu filho come e nem se importa, mas também ele nunca comeu nada melhor e por isso não se queixa. Mas não têm nada a ver com um bom bolo caseiro feito com todos os ingredientes.
      Já experimentei bolos do mesmo género feitos por outras pessoas (geralmente mães). E que gabam imenso os seus petisco. "Fica mesmo bom" -dizem elas todas orgulhosas. Não tem açucar não tem leite, não tem ovo, não tem farinha de trigo. Não tem praticamente nada. E depois provamos e é francamente mau.
      ... ok, há comida de dieta que é pior, mas seria incapaz de servir um bolo destes numa festa.
      Para quem nunca provou nada (miúdos pequenos) até passam por algo que se come. Para quem já comeu, pelo menos uma vez na vida um verdadeiro bolo caseiro,... - esta nova moda não têm ponta por onde se lhe pegue.

      Eliminar
    2. Pois, compreendo o que diz. :) A minha filha também come coisas que eu acho intragáveis mas como sempre se habituou a bolos sem açúcar ela gosta. :D O meu problema é arranjar um bolo saudável e bonito que agrade a todos... Parece impossível mesmo. :( Até consigo encontrar uns bons sem açúcar e farinha mas sem ovo, leite e gluten... é complexo.

      Eliminar
    3. Purpurina, não é. Há muitos e muito bons.

      Eliminar
    4. Starbreaker, estou sempre a pesquisar receitas e a experimenta-las mas tenho dificuldades em variar muito dos bolos com aveia, banana e canela (que eu adoro). :) Vou experimentar sites de receitas vegan. :P

      Eliminar
    5. Starbreaker

      Se tem receitas de bolos que não levem ovos, açúcar e leite, e que resultem num bolo bom (como um bolo caseiro, daqueles feitos pelas nossas avós), então por favor disponibilize a receita.
      O meu filho já tem 9 anos. Foi habituado desde miúdo a nunca comer bolos em festas de anos, está mais do que habituado, nunca provou um bolo a sério, não faz ideia do que é. Por isso, contenta-se com as pobres imitações que vou tirando de sites vegans e outros.
      Eu tenho muitas receitas vegans (algumas até improvisadas por mim) que resultam em bolos +/-. Possivelmente algumas pessoas diriam que são bons. Mas para quem já comeu um bom pão de ló caseiro, um bom bolo podre, uma sericaia e por aí, sabe que aqueles bolos são mais desenxabidos que sei lá o quê.
      Eu gostava de ter uma receita vegan que pudesse resultar num bolo verdadeiramente bom. E não encontro isso em lado nenhum (e já lá vão 8 anos de tentativas).
      Por isso, agradeço muito se disponibilizar receitas de bolos (sem ovo, açucar e leite) que sejam realmente bons (como um bolo caseiro deve ser).

      Obrigada
      Rita

      Eliminar
    6. Procure por bolos vegan. Eu costumo fazer um bolo mármore excelente! As pessoas nem dão conta que não leva nem ovos nem leite (de vaca)

      Eliminar
    7. procurem por bolo mesclado no site presunto vegetariano

      Eliminar
    8. o meu filho tem uma alergia grave à proteína de leite de vaca e moderada ao ovo, e depois de muitas muitas tentativas frustadas (principalmente pelos sem numero de aniversários e eventos festivos da escola) tenho duas receitas que funcionam!! As receitas têm açúcar e óleo, porque me sinto confortável com isso uma vez que lhe controlo toda a alimentação, e ele não come mais nada "não saudável". Encontrei o equilíbrio que funciona para nós nestes bolos vegans, mas é uma questão de experimentarem sem:
      Bolo de Cacau
      200g farinha
      130g açucar
      40g cacau em pó (cacau não chocolate)
      50ml oleo
      240 leite de amêndoas

      1- juntar todos os os secos. 2- juntar todos os líquidos 3- envolver tudo até que a mistura faça bolhas. 4 - +- 40 m no formo 170graus

      Bolo Laranja (faço de laranja porque fica com uma cor de bolo normal, mas pode ter outra fruta)
      220g farinha
      90g açúcar (depende do doce das laranjas)
      80 ml oleo
      240 ml sumo laranja
      raspa 2 laranjas

      o mesmo processo descrito em cima.
      Desculpem o comentário tão grande, espero que ajude alguém.
      este verão fiz a festa de aniversário do meu filho (um lanche e jantar para a família e amigos) 100% sem leite e ovos foi difícil inventar e adaptar receitas mas valeu muito a pena.

      Eliminar
    9. Muito obrigada
      Vou experimentar essas receitas!

      Rita

      Eliminar
    10. http://universoalimentos.blogspot.pt/2010/07/o-melhor-bolo-de-chocolate-do-mundo-e.html
      E ainda podem substituir o açúcar mascavado (que não é tão "mau" como o açúcar refinado) por tâmaras, por ex., ou por outro adoçante mais saudável.

      Eliminar
  9. Sou totalmente a favor de uma alimentação saudável e cá em casa evitam-se os doces ao máximo, que para nós quer para os miúdos! Mas não podemos ser fundamentalistas! Bolo sem leite? A Irene não bebe leite com cereais? Bolo sem glúten? Ela tem alguma alergia? Não podemos criar crianças com exageros destes. Isto já não é preocupação com uma alimentação saudável mas um findamentalismo que roça o ridículo! São as modas das redes sociais... sem glúten, sem lactose, sem carne sem o raio que o parta... enfim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me que o facto do bolo não ter muita coisa (glúten, açúcar, leite,etc...) foi para garantir que conseguia algo que servisse para todos os meninos (ou mães) da creche e não só para a Irene....

      Eliminar
    2. Ía escrever o que escreve este anónimo das 22h. Provavelmente terá sido para "garantir" que todos pudessem comer.
      E sim, a Irene por ex, é alérgica à proteína do leite (acho que é isso), certo JG? Poderão existir na creche da Irene crianças com outras patologias.

      Eliminar
  10. Se não tem nada o que leva esse bolo? E sabe bem? As crianças gostaram?

    ResponderEliminar
  11. Sem leite, sem açúcar, sem glúten, sem gosto, sem bom senso. Mais valia darem uma bananinha a cada um. Ah espera, mas colhidas em noite de lua cheia com luvas de borracha biológica...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na minha opiniao isto chega mais longe.. sera mesmo uma falta de respeito para com as criancas! Nao vai ser uma fatia de bolo que lhes vai fazer mal...se nunca comeram acucar nao sabem o que e, certo! Mas se e uma festa os miudos vibram com isso... libertem as criancas, deixem nas ser criancas!


      Eliminar
    2. Acho que cada mãe poderá achar o que é mais importante para os seus filhos :) para umas será educar a não precisarem de comer doces e de não os associarem a felicidade, para outras será irem fazer natação cedo ;)

      Eliminar
    3. Então quer que ela associe os doces a quê? À tristeza? E acha mesmo que vai conseguir controlar as associações que a sua filha faz?

      Eliminar
    4. Sim, vai controlar tudo o que miúda, faz, pensa, diz, come... já se percebeu isso à muito tempo. Mas lá está, a mãe é que sabe (só que às vezes não sabe).

      Eliminar
  12. Olá Joanas! Gostava muito que abordassem um assunto que ainda considero tabu: O aborto. Neste caso o aborto voluntário, por mulheres mais novas e mais velhas. Estou na faculdade e às vezes penso o que faria se engravidasse agora, e sinceramente não sei! E se o pai não concordar em ter o filho? Cobramos os seus deveres ou assumimos total responsabilidade da criança? Ver/ler outras prespetivas ajuda quem esteja na situação e seria uma forma de abrir consciências. Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque é que a opinião de uma pessoa sem qualquer tipo de formação académica a vai ajudar nisso? Já pensou reflectir sozinha sobre isso? Não sei em que é que a dona do blog pode dar ao mundo sobre esse tipo de assunto.

      Eliminar
  13. Era interessante saber a receita do bolo! :)
    Adorei a pintura facial! Suas mentes perversaaaasss!!! :)

    ResponderEliminar
  14. Joana ficar feliz porque um bolo não leva leite, ovos e açúcar? Isso é puro fundamentalismo. As minhas filhas sempre comeram tudo e desde cedo, mas com regras e sem exageros. Atualmente estão de tal forma que vamos guardando num armário os doces que elas trazem nas festas e eles lá ficam, elas não pedem e nós não damos....nem imaginas a quantidade de rebuçados que deitamos fora no outro dia.
    Não me leves a mal, mas tenta relativizar um pouco....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Irene come doces :) mas não quero que coma doces sempre que haja festas de um coleguinha. Não quero que pense que festas é sempre sinónimo de doces... Com mães a terem este tipo de atenção aos açúcares e às alergias e intolerâncias, torna-se tudo mais fácil ;) Darei eu quando quiser! :)

      Eliminar
    2. Os meus filhos ficam felizes de levarem bolo de aniversário para a escola (na idade deles também ficava). Contudo, outros meninos são alérgicos e outros não podem comer. Então o melhor é separar os meninos quando forem cantar os parabéns.

      Eliminar
    3. Separar os meninos? Acha isso bem??? OMG!!!

      Eliminar
    4. E os meus filhos deixarem de levar bolo tradicional (é neste tipo de comida tradicional portuguesa com que me identifico), acha bem?

      Eliminar
    5. É preciso ter mais do que paciência para os fundamentalistas, é preciso muito mais de facto. Se o açúcar de uma fatia de bolo 1 vez por ano vos faz tanta espécie acredito que os vossos filhos sejam aqueles que saem da escola assim que podem e se empanturram com os doces da loja da esquina às escondidas dos pais... como aqueles que eu vejo todos os dias que torram o dinheiros dos almoços, filhos dos pais como vocês, só em guloseimas...
      O problema não é só o fundamentalismo, é a necessidade de controlar tudo.

      Eliminar
  15. Olá Joana,
    Ainda bem que existem mais mães com essa preocupação e respeito pelas opções dos outros pais.
    Não me considero fundamentalista mas acho que não há necessidade de expor crianças com menos de 2 anos a bolos industrializados, por exemplo.
    Para a escola do meu filho (quando fez 2 anos) levei um bolo sem açúcar e alguns pais tiveram o cuidado de garantir que eram bolos caseiros (pão de ló ou bolo de iogurte), apesar de serem com açúcar.
    Pedi à educadora para me avisar quando houvesse uma festinha de aniversário e dizer que bolo iam levar (isto depois de ter sido surpreendida com o facto de terem dado bolo mármore num aniversário da sala 1-2 anos) e em função do bolo, decidia se ele comia o bolo ou mandava uma alternativa (bolo feito por mim sem açúcar) para ele comer ao mesmo tempo.
    Enviei-te fotos do bolo e receita pelas mensagens do instagram.
    Obrigada!
    Filipa

    ResponderEliminar
  16. Este por exemplo é delicioso:
    http://universoalimentos.blogspot.pt/2010/07/o-melhor-bolo-de-chocolate-do-mundo-e.html
    E ainda podem substituir o açúcar mascavado (que não é tão "mau" como o açúcar refinado) por tâmaras, por ex., ou por outro adoçante mais saudável.

    ResponderEliminar
  17. Acho uma piada a estas mães. Querem que as crianças não comam nada enquanto que elas podem e comem tudo. E a JG é um bom exemplo disso: come massa enquanto a menina come quinoa, não come peixe... Tão moderna mas parece não perceber que as crianças agem por imitação e, que se quer que a menina coma saudável, a menina tem que ver o exemplo dos pais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá ;) Tenho pena que em vez de me perguntar porque é que fiz essa escolha, parta logo para um comentário assim. A massa eram restos daquilo que tinha cozinhado no dia anterior (para mim enquanto ela dormia) e que tinha demasiado sal, demasiada manteiga, etc. etc. Senão estaria a comer quinoa com ela. Não como peixe, mas o pai come. Todos os dias a Irene vê a mãe a comer salada ou vegetais com carnes brancas... e até é a Irene quem come mais massa e arroz lá em casa. Não se preocupe que está tudo muito bem pensadinho! ;)

      Eliminar
    2. Não come peixe mas põe manteiga na massa... está bem!

      Eliminar
    3. Joana quinoa em excesso (comida frequentemente) faz mal à saúde. Se leres artigos cientificos sobre isso vais ler que existem indicios que podem provocar cancro.

      Eliminar
  18. Plástico. O bolo era de plastic, que é mais saudavel. E não engorda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era capaz é de arrasar ali um pouco o duodeno, depois!

      Eliminar
  19. Adoro posts que levam a divergências de opinião, e consequentemente, pela lógica dariam bons debates. E quem diria que o açúcar/bolos dariam aqui opiniões destas???

    Ora, como a minha não aquece nem arrefece o tema, lá vai!

    Nem 8 nem 80!
    A Laura sabe o que são gomas, bolos, chocolates, tripas (das de Aveiro, onde vivemos... Autênticas bombas calóricas, mas que nós também gostamos...). Mas a Laura também sabe que não tem doçaria disponível todos os dias. Na creche, os bolos de aniversário são só para os coleguinhas da sala, e não para os quase 250 miúdos. Perguntei se havia alguma restrição (na sala anterior, já conhecia os miudos todos e sabia que não havia intolerâncias, mas agora é uma sala nova e mais vale prevenir...). Apenas pediram um pão de ló simples, sem coberturas nem recheios. E "não se preocupe com as intolerâncias. Há um menino que não pode comer ovo e fazemos sempre um bolinho especial para ele quando há aniversários. Ele sabe que o dele é diferente, mas assim também se sente incluído na festa". (PS - de lembranças, ao contrário das gomas que vêm sempre para casa, eu decidi mandar os frasquinhos de bolinhas de sabão...).

    Isto para dizer que, poucos são os miúdos que têm intolerâncias e felizmente, a creche daqui prevê essas situações. Os pais não precisam de fazer bolos sem ovos, farinha, açúcar e leite só porque existe uma criança com essa intolerância, retirando a "magia" do bolo aos restantes.

    A creche daqui tem um nutricionista infantil que prepara as ementas semanais. E são bem mais variadas que as de minha casa, onde nem há tempo nem criatividade...

    Prefiro que a Laura aprenda que pode comer de vez em quando e que vá criando algum "auto-controlo", do que mais tarde, quando se vir com liberdade para isso, enfarde tudo o que veja à frente.
    Por isso, nem 8 nem 80! Tudo tem que ter moderação!

    (Epahhhh, venham temas de debate! Sugiro que se crie um tema semanal para se debater! Vai dar "porrada"????? Hell yeahhh! Se temas fofinhos e doces conseguem destilar "ódios" nas pessoas, imaginem o que será debater o aborto...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Melhor comentário até agora! Totalmente de acordo!

      Eliminar
    2. Ainda ponderei em atirar lenha (ou gasolina) para a fogueira com outro "ingrediente"... Shame on me, que sou dessas mães horríveis que não faz um segundo prato se o jantar for arroz de marisco!!! E o melhor de tudo, é vê-la comer com satisfação (a mesma com que eu como, já que marisco é coisa rara em casa...)

      Eliminar
    3. Concordo a 500%!
      Não diria melhor!

      Eliminar
  20. Oh meu deus mas estas pessoas são todas egoístas? Na sala do meu piolho temos uma mãe que não quer dar açúcar ao filho até mais tarde, temos o meu filho que é alérgico ao leite (sim alérgico, incha e fica vermelho, não é mania minha)... Eu sou obrigada a cada vez que há uma festa de aniversário (só esta semana são duas) a fazer um bolo para o meu piolho não ficar a olhar!
    Preferia 1000 vezes que houvesse uma mãe preocupada que fizesse um bolo que desse para todos! Esta mãe foi um máximo! Uma verdadeira Queen e quem me dera que mais mães e pais deixassem de ser uns egoístas e parvalhões, a achar que é só uma moda e que os miúdos têm de comer tudo e mais alguma coisa! Têm a vida toda pela frente! Não é preciso enfiar açúcar e mais porcarias pela garganta abaixo nos primeiros 3 anos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto de um lado os egoístas e parvalhões e do outro? Os educados?

      Eliminar
    2. Vanessa

      O meu filho (9 anos) tem uma alergia gravíssima ao ovo (anda com anapen, pois faz choque anafiláctico apenas com vestígios de ovo), tem alergia à proteína do leite de vaca e intoleranca á lactose (basta comer um pouco e vomita de imediato, para além de sentir tão mal que chega a perder os sentidos).
      O meu filhos foi educado, desde pequeno, a saber muito bem o que come. Ele sabe que tem alergia a estes alimentos, por isso em festas ele nunca come bolos, bolachas, pão de leite, croissantes, etc. Na escola, ele vê a ementa semanalmente e sabe quando são pratos "proibidos" para ele, pelo que está sempre muito atento.
      O meu filho desde que iniciou a escola (1 ano)foi ensinado a ser assim.
      Com 2 anos ele recusava qualquer bolo que lhe oferecem-se (e mesmo bolachas).
      Nunca me passou pela cabeça achar que as outras mães tivessem de ter em conta as alergias do meu filho quando enviavam um bolo para a escola.
      Por acaso, algumas mães perguntavam-se se podiam usar uma ou outra receita de bolo, para que ele pudesse comer. Como ele foi habituado a nunca aceitar bolo de outras pessoas, sempre disse que não valia a pena, pois mesmo que ele pudesse comer, ele iria recusar.
      Não acho que os outros pais tenham de estar a ter em conta os problemas de cada criança da sala.
      Se as crianças têm alergias ou outros impedimentos para certos ingredientes, as professoras têm de ter conhecimento e a criança não come o bolo nesse dia.
      Não vem nenhum mal ao mundo, e ninguém é egoísta porque não pediu a lista de alergias das crianças da turma. (Isso sim, parece-me a ideia mais disparatada que já ouvi).
      E para que conste, no aniversário do me filho, durante a sua frequência do infantário, sempre levei um bolo normal (feito em casa - bolo de cenoura, de iogurte, de maça ou pã de ló) e um bolo de dieta para o miúdo (habitualmente ate eram bolachas, porque ele gostava mais).
      O meu filho é um miúdo feliz e muito bem disposto. Já foi a muitas festas de aniversário, nunca provou um bolo de anos dos amigos e não tem problemas nenhuns com isso.
      E eu também não. Se eu pensasse como a Vanessa, possivelmente eu teria problemas com isso. ( o miúdo não, para ele é normal e não há problema nenhum com isso).

      Rita

      Eliminar
    3. Muito sensato o comentário da Rita (anónimo das 22:20).
      Parabéns por encarar de forma tão equilibrada o problema do seu filho e sobretudo por o ter ensinado a lidar com ele de forma natural.

      Eliminar
    4. Parabéns Rita, deviam existir mais mães com os seus valores e bom senso

      Eliminar
    5. Portanto a Vanessa acha que o problema de saúde do seu filho é problema de todas as crianças e porque o seu filho é alérgico todos os outros não podem também?
      E que tal ajudar o seu filho como a Rita fez?

      Mas os outros é que são parvalhões e egoistas...e eu sou mãe de um miúdo que é alérgico à lactose e à proteína do leite (veja bem que a mania também não é minha) e ele aprendeu a dizer a tudo e a todos o que pode e não pode comer.
      Já que se façam bolos sem nada, ou teorias da treta como trocar o gluten (saudável para quem não é alérgico) por alimentos da moda (promovidos como saudáveis quando nem o são e muitas vezes até fazem mal à saúde) ou outras coisas do género faz com que os outros é que sejam parvalhões não é? Para mim os egoistas não são aqueles aos quais se refere...

      Espero é que saiba que há alimentos que só fazem mal a quem é alérgico e não aos outros.
      Eu, por exemplo, sei o suficiente sobre a doença celíaca para nunca me armar e dizer que o bolo é sem gluten se tiver usado produtos que estivessem perto ou em contacto com qualquer tipo de produto ou objecto com gluten...sei o suficiente para perceber que a maioria dos que dizem "sem gluten" não percebem patavina do risco de contágio...é que uma coisa é querer seguir modas, outra diferente é fazê-lo com conhecimento de causa.

      Eliminar
  21. E nao acham estranho as crianças nascidas agora, tendo pais tão saudáveis quanto possível, terem tantas alergias e serem intolerantes a tanta coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bingo!
      É o contacto regular com os alergénios que faz com que o nosso sistema imune os tolere e aceite. Mas agora parece que tudo são venenos...

      Eliminar
    2. Agora há uma maior consciência. Pena que não tenha chegado ainda a esses lados.....

      Eliminar
    3. Há uma maior consciência de quê? De empanturrar miúdos com sementes sem se saber os verdadeiros problemas que as mesmas causam, enquanto se retiram alimentos essenciais da alimentação por ser moda?

      Eliminar
  22. Gosto de comida tradicional portuguesa e não considero que os 100 gramas de açúcar que ponho no bolo dos meus filhos sejam um veneno. Se outros pais consideram dêem instruções na creche para os meninos não estarem presentes no bolo.

    ResponderEliminar
  23. Adoro as mães q aprenderam uma palavra nova e estão sempre a usá-la, seja qual for o tópico: "FUNDAMENTALISMO". :D já vimos q já aprenderam, podem parar de usá-la quando aquilo a q se referem é, na realidade, "bom-senso". Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "bom senso" não se coaduna com alguém que tem os comportamentos evidenciados pela autora deste blog. Eu também não sei se diria fundamentalista uma vez que me parece que os conhecimentos da mesma sobre nutrição deixam muito a desejar...será simplesmente mais uma atrás da moda e nada mais.

      Eliminar
  24. Parece-me que estamos a falar de duas coisas: uma é não querer que as crianças comam açúcar, outra o cuidado a ter com as alergias. Acho lindamente que se controle a quantidade de açúcar consumido pelas crianças mas a meu ver não será um bolo simples comido em dia de festa na escola que fará diferença. Isso claro assumindo que a alimentação no dia a dia não inclui açúcares. Poderá ser feito como no caso da escola dos meus filhos em que o bolo (bolo básico tipo pão de ló ou de iogurte) é feito na escola no final de cada mês para festejar todos os aniversários desse mês.
    Outra questão muito diferente é assegurar que o bolo pode ser consumido por crianças com alergias, e nesse caso a verdade é que se uma criança tiver uma alergia grave é sempre melhor serem os próprios pais a assegurar o que pode comer. Isso porque mesmo com a melhor das boas vontade uma mãe pode preparar um bolo sem gluten e sem leite mas, por exemplo, usar para misturar os ingredientes um utensílio que foi usado noutra coisa e mantém vestígios e isso ser o suficiente para provocar uma reacção.
    Outra opção pode ser trazer outra coisa para as crianças partilharem como um prato de frutas diferentes cortadas em formatos de estrelas e corações por exemplo.
    Agora parece-me que nos estamos a esquecer que a alimentação tem uma grande componente social: a coisas que comemos só em determinados momentos (como as festas de anos) e outras que comemos todos os dias, e as crianças são também elas parte da sociedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O melhor comentário de todos.
      Obviamente que quem faz bolos sem gluten por não saberem nada de nutrição e considerarem isso saudável não está minimamente preocupado com as alergias dos miúdos...está sim preocupado e centrado na moda que querer parecer saudável.

      Quanto ao açúcar concordamos a 100%, mas considerar que 1 vez por ano faz mal...é ridículo.

      Eliminar
  25. Esta troca de opinioes ainda vai chegar ao parlamento! Vai na volta e vai tornar se imperativo, que em todas as creches, haja um bolo fantasia, tipo caixinha de musica, com a musica dos parabens incorporada, universal a todas as criancas, ainda assim havera quem seja alergico ao tipo de material que compoe a caixa... por favor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que não lhe calhe a si um filho alérgico. Boa sorte.
      E cuidado que às vezes a 💩 cai-nos em cima...

      Eliminar
    2. Pois a mim "calhou-me" um filho alérgico. E pasme-se concordo com o comentário irónico do anónimo das 17:59.
      Chega a ser exagero as "exigências" e requisitos que vários pais põe na alimentação dos filhos.
      O meu tem alergia bastante grave (risco de choque anafiláctico, perda de sentidos, quebra de tensão, etc), e no entanto não enveredo pelo histerismo de
      "todos os pais deviam de fazer comida/bolos/sobremesas sem a, b, c, d, etc, sempre que levarem para o infantário.
      As crianças que têm estas limitações na alimentação, simplesmente habituam-se a não comer este tipo de alimentos.
      Há com cada uma

      Rita

      Eliminar
    3. Eu com a me... posso bem, posso bem menos com pessoas que se acham donas do mundo e estao frustradas com algum motivo e disparatam... se o meu filho for alergico, agirei como tal, ate la irei deixa lo ser crianca com td a que tem direito o maximo de tempo possivel sempre com as limitacoes necessarias... ser alergico e uma coisa, que respeito... sei bem do que falo, agora arranjar uma nova " doenca" ou " alergia" que tem nome de acucar nao concordo, e mais a mais quanto aos filhos... a mae e que sabe!

      Eliminar
    4. http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/o-acucar-e-o-maior-veneno-que-damos-as-criancas=f815340

      Eliminar
    5. Eu fui alérgica às proteínas do leite de vaca na minha infância. A minha mãe sempre me explicou que eu não podia porque ficava doente e eu habituei-me a não cobiçar coisas com leite. Lembro-me da minha mãe me fazer uma aletria com o meu leite (Nutramigen). Eu adorava, sentia-me especial. No bom sentido!
      Os macacos 🐒 estão na cabeça dos pais, não dos filhos.

      Eliminar
    6. Td seria perfeito se as maes vivessem com os filhos em cavernas, 24h\dia.... mas a perfeicao so existe no dicionario...

      Eliminar
  26. Numa época em que imperam a aceitação e a inclusão, em que existe grande tolerância para com as diversas confissões religiosas, opções sexuais, cores partidárias, cores do cabelo, tamanho das saias, etc... parece que as pessoas continuam a ter a necessidade de defender de forma extremada e muitas vezes quase irracional determinadas "bandeiras". E agora, é a guerra desenfreada que se desencadeou ao açucar, ao leite, à carne vermelha, ao peixe que tem mercúrio, ao glúten e a sei lá mais o quê... Afinal, andamos todos intoxicados, envenenados, porque já todos ingerimos qualquer um destes produtos.

    Credo! Nem sempre, nem nunca! TUDO faz mal se for em exagero; a base de uma alimentação saudável reside na VARIEDADE.
    E parece-me muito melhor habituar as crianças a conviverem de forma saudável com os doces (que devem ser para consumo ocasional e não diário) do que um dia, se calhar sem estarmos presentes, por terem tanta curiosidade e vontade de experimentar, "enfardam" um bolo inteiro ou toda uma embalagem de gomas ou batatas fritas num abrir e fechar de olhos. Se a criança estiver habituada a consumir com moderação estes produtos, quando lhe forem oferecidos não vai cair na tentação de os devorar como se não houvesse amanhã.

    E, para terminar, um episódio verídico que os meus pais presenciaram (há muitos anos atrás):
    - um casal negava-se a dar à filha pastilha elástica, apesar de todos os amiguinhos as mascarem de vez em quando. A criança tinha tal curiosidade com as chicletes que, certo dia, viu uma no chão (sim, já mastigada e cuspida fora) e, rapidamente apanhou-a do chão e meteu-a à boca para experimentar...

    Haja bom senso e moderação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora estuda-se e sabe-se! Ainda bem que há quem se importa com estes temas: não é por acaso que doentes com cancro vêem as suas doenças regredir com ajuda da alimentação, assim como doentes com ELA. Dantes ninguém tinha noção do mal que o açúcar fazia, só se preocupavam porque engordava... E está errada numa coisinha: o paladar educa-se. Se uma criança for educada ao doce naturalmente presente na fruta, dificilmente depois tem essa reação de loucura de vingança com doces, como fala... O mais normal até é nem precisar deles, nem se entusiasmar por aí além. E não me venha com "conheço um caso em que": não são casos particulares que fazem estatística. Cumprimentos, uma mãe que não proíbe nada sempre, mas simplesmente não compra, não incentiva e gosta de soluções mais inteligentes (ex tâmaras em vez de açúcar: garanto que adoçam!).

      Eliminar
    2. Eu também dizia essas coisas quando o meu filho mais velho tinha 3 ou 4 anos. Depois ele cresceu e, BUM, percebi que não vale de nada, que eles comem o que gostam e, pasme-se, adoram doces (mesmo que não os tenham comido nos primeiros três anos de vida). O meu segundo filho já não sofreu com as minhas ansiedades. Teve mais sorte...

      E já agora, aqui há pouco tempo estive numa festa de aniversário em que uma menina com uns três ou quatro anos, filha de uns pais super BIO/Vegan whatever que não a deixam tocar em acúcar, aproveitou uma saída da mãe para se sentar à mesa com uma fatia gigantesca de um bolo de chocolate com cobertura daquelas brancas, só de açúcar, e devorou aquilo com desespero, sempre de olho na porta a ver se a mãe voltava... e eu então pergunto, e pergunto-lhe, se acha sinceramente que os pais que assim educam os filhos - que os levam a comer às escondidas e alarvemente - estão a fazer um bom trabalho...

      Eliminar
    3. Anónima espero então que saiba que também se estudou as sementes e as quinoa e outras tão apregoadas têm indicios de provocar cancro também.

      Ps: o gluten não faz mal a nenhuma criança que não seja alérgica, aliás é essencial numa alimentação saudável.

      Eliminar
  27. O drama!! O horror!! Um bolo com açúcar!!! O problema são os excessos não as excepções....

    ResponderEliminar
  28. Com dois filhos celíacos, ie uma doença auto-imune crónica cujo tratamento é uma dieta isenta de glúten, temos rotinas para as festas de aniversários e eles já sabem que só comem da lancheira que levam. Mas por vezes ainda olham para as mesas e perguntam se podem comer algo. Logo, não imaginam a alegria que é chegar a uma festa e ver que a mãe do aniversariante comprou algo sem glúten para eles ou verificou se as batatas fritas ou as pipocas são isentas. Não é pela comida em si, porque não iriam passar fome, mas pela atenção. Ás vezes, é tão simples como apenas verificar se as batatas fritas trazem o rótulo sem glúten.

    ResponderEliminar
  29. Cheguei tarde a esse post, já vai com 86 comentários. Mas mesmo assim vou deixar aqui o meu. Compreendo a sua alegria Joana e a preocupação da mãe da outra criança, mas penso diferente. Acho bom sim comer coisas deliciosamente deliciosas, claro que com muita, muita, muita moderação, por exemplo num dia de aniversário. Se ninguém é alérgico a nada do bolo acredito que não terá mal nenhum comer um pedacinho e se deliciar. E qual o mal de associar os doces ao prazer, a alegria? Acho super natural. O ruim é descontar na comida a frustração da vida.. e pra mim esses comportamentos muito exagerados levam a isso, tanto por um lado como por outro.

    ResponderEliminar
  30. Ainda não tenho a minha filha na escola, portanto não faço ideia como serão geridos os aniversários, mas por mim nem havia bolo, para não ferir as fanáticas dos zero açúcar, zero farinha, zero caraçinhas,... Faz-se um teatro, dança-se, cada um come da sua lancheira e todos ficam felizes! Mas logo se verá.

    ResponderEliminar
  31. Incrivel como tanta gente opina sobre o que nao sabe. O gluten nao faz mal esporadicamente (e.g. uma vez por mes) mas e completamente errado dizer que "e essencial numa alimentacao saudavel". Caso estejam interessadas sobre o assunto, pesquisem sobre a digestao de uma das proteinas presente no gluten. Nao ha corpo humano, em condicao alguma, capaz de digerir a gliadina. O consumo frequente aumenta a permeabilidade e irritabilidade do intestino que, consequentemente, cria problemas gastrointestinais (entre outros) e mal-absorcao de nutrientes. Os celiacos tem uma resposta imediata a presenca desta proteina no organismo, os nao celiacos lidam melhor com a irritabilidade mas nao deixam de ter os problemas descritos acima. Faz mal comer um pao, bolo ou outro qualquer produto com gluten de longe a longe? Nao, a irritacao acabara por passar como tantas outras provocadas por outros alimentos ou factores externos. Comer todos os dias? Sim, e um ataque ao bom funcionamento do corpo humano.

    O que me leva a comentar este post (coisa que raramente faco) e esta constante atitude desinformada mas prepotente de algumas pessoas que opinam sobre o que nao sabem. Se querem ter uma troca de ideias inteligente e com sentido, pesquisem antes de se pronunciarem. Opinioes dispares sim, informacao errada e que nao!

    ResponderEliminar