A apresentar mensagens correspondentes à consulta DIA DA CRIANÇA ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta DIA DA CRIANÇA ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O que querem dizer os desenhos deles?

É tentador interpretar os desenhos deles. Pelo menos para mim, além de ser tentador é extremamente interessante. Já quando era animadora de festas de aniversário para crianças, quando sugeria que todos desenhassem, ficava deliciada a observar o processo e também as mais variadas explicações que iam dando.  Era nessa actividade que conseguia conhecer os miúdos e era a parte que mais me entusiasmava - a parte de andar a ouvir berros de um lado para o outro e de evitar que se partissem todos não era o que mais me agradava. 

Além de ter uma amiga que teve alguma formação neste sentido e de já me ter sugerido algumas possíveis interpretações para desenhos da Irene - aconteceu naturalmente, não estive a submetê-los para diagnóstico, ahah - no outro dia, quando passei por uma livraria, encontrei um livro que me chamou a atenção:  "A Arte Descobre a Criança" por Eurico Gonçalves (tive de ir ver quem é, mas é um artista com uma carreira muito admirável, caramba, respect!).

Após leitura do primeiro capítulo, quis partilhar algumas dicas que ele nos dá para receber melhor a arte dos nossos filhos. 

1)  Não elogiar em demasia nem mostrar decepção ou tristeza. 

Ui. O que me farto de elogiar a Irene para tudo e mais alguma coisa. Já tinha lido sobre "os elogios" e como torná-los eficazes para ajudar a que se sinta mais segurança, mas confesso que me é difícil não reagir com espanto por estar mesmo espantada. Porém, faz sentido o que o autor diz. A criança é, neste contexto, um verdadeiro artista e "Se, por um lado, a criança sente tristeza perante a indiferença do adulto, por outro lado, acaba por se tornar insensível ao aplauso sistemático". 

2) A criança esquece-se do que desenhou. 

Não vale a pena (nem convém) perguntarmos-lhes o que desenharam e porquê (isto aquando das primeiras manifestações gráficas, quando são mais pequenos, claro). A melhor maneira de tentar perceber o que poderá estar a ser representado através de símbolos pelo pequeno artista será assistir ao processo, sem interferir. Observando e, muitas das vezes, ouvindo porque é habitual falarem durante o processo.

3) O tamanho dos objectos poderá representar maior relação/afectividade.

É frequente ou até expectável que nos primeiros desenhos não haja uma representação realista das pessoas, animais ou objectos. As crianças deixam transparecer ainda a perspectiva mais emocional da realidade. 

4) É normal que expresse muitas vezes o mesmo tema.

Não vale a pena tentar motivar o artista para outros temas. A criança representará o que estiver a ser trabalhado na sua mente e enquanto esse trabalho não estiver finalizado. "A expressão é motivada pelo que mais a impressiona" e "o tema da criança é ela própria", pelo que se desenhar uma piscina durante meses... é perceber que terá tido impacto nela e que está a "resolver". 

5) Cuidado com as perguntas.

Ui. Então eu que estou sempre numa de "dá valor ao que ela produz", tento envolver-me e certamente que sou guilty disto. Fazer as clássicas perguntas "Já pensaste no que vais pintar?", "O que pintaste? faz com que o fluxo normal, autêntico e catártico seja quebrado. Além do que, por ser tudo tão... "o que saiu" à criança, a resposta que ela nos dará será algo "do momento" em que perguntámos e por isso não tão cru como poderia ser o desenho, além de possivelmente parcialmente inibido por ter de traduzir para comunicação verbal e em confrontação directa.  É suposto ser uma actividade espontânea: "... nas actividades espontâneas, como a pintura livre, o tema não é dado, nem imposto (...). Esses limites condicionariam a própria liberdade de expressão, sendo esta faculdade que importa estimular e desenvolver". 

E aqui já entra algo que compreendo: dar espaço para que a criança desperte a sua criatividade. Sendo esta uma característica muito útil a muitos níveis, até a nível pessoal para saber enfrentar o dia-a-dia com outras soluções que vão além do imediato, expressando-se pessoalmente de forma que a faça mais feliz, etc. 

E foi também por isto que me me fez sentido falar da 2ª edição do Concurso de Desenho da Tosta Rica da Cuetara em que o vencedor vai ter o seu desenho nas bolachas a sério ! What? Eu acho que me passaria com isto se fosse miúda. Aliás, mesmo agora! Vai haver um júri que claro que terá em conta a idade da criança quando olhar para o desenho, por isso se ainda só tiverem pequenos girinos aí em casa, não se preocupem que caso haja já miúdos a darem-lhe forte, têm hipóteses. 

Mas, se não forem pessoas com muita fé nisto dos passatempos (eu não era quando participava nestas coisas), há prémios todos os dias. Também vão encontrar o melhor desenho do dia e, mesmo assim, já recebe o prémio espectacular que é ver o seu próprio desenho em bolachas. Uma lata de bolachas personalizado. Ahhhh!!! Quero participar! Não estou a gozar, só me vêm é palermices à cabeça hahah. Vá, seriedade.


https://2.bp.blogspot.com/-aLUyrHIsnoE/WnyeeZrPgjI/AAAAAAAAbjY/2qjtUY45dfEQrTXYa7qFitTO-01bjlsSgCLcBGAs/s640/IMG_0487.jpg


No final do concurso (acaba dia 31 de Março) vai haver uma compilação num caderno com muitos dos desenhos recebidos e que irão ser distribuídos em hospitais, no serviço de pediatria no Dia da Criança. Para além de tudo o que já vos tinha falado da importância do desenho e das crianças quererem ser levadas a sério, ainda há uma vertente solidária... oh!! Falar sobre estas coisas assim dá gosto.

Estive a experimentar participar no passatempo (Schh, não façam essa cara, não era para fingir que era a Madalena de 2 anos, era só para ver se era realmente fácil) e... é só irem (as crianças) ao site e usar o rato para desenhar numa bolacha o que quiserem, depois de um simples log in.

Por isso, toca a ir ao site ou então descarregar a app e fazer esses desenhos lindos.



A Irene agora está louca com a colecção da Ladybug da Tosta Rica da Cuetara (estou zangada com todas as mães que esgotaram esse disfarce de Carnaval porque era o que ela queria) e vai toda vaidosa de vez em quando com as Tosta Rica na lancheira. Passa o dia inteiro a fingir que é a Ladybug ou o Adrien e depois tem bolachas com os desenhos deles. Claro que se passa! É o equivalente a eu ter um par de ténis para estrear diariamente, para aí - tenho de traduzir o entusiasmo da minha filha para ténis para perceber melhor o que ela poderá sentir, ahah. Ah e vocês sabem o jeitaço que dá estarem divididas em saquinhos para não termos que andar a pô-las em tupperwares ou a embrulhar em celofanes e afins para irem no lanche deles.

Adorava saber que tinha sido algum dos vossos filhos a desenhar bolachas! Isso até deveria constar do currículo deles para sempre. :)



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Pai em Pânico (#01) - Menino ou menina? Não quero saber!





27 semanas! É este o tempo total de gravidez que tenho para cobrir com esta primeira crónica do “Pai em Pânico”, para vos deixar em dia. Para ser honesto, nem sei bem por onde começar… 

Que tal com o facto que eu e a minha namorada decidimos que não queríamos saber o sexo da criança? Sim, processaste corretamente a frase anterior e por esta hora já te inseriste em uma de duas categorias: na categoria composta maioritariamente por mulheres e que se identifica com um audível “ó, que ideia tão fofa!”, ou na categoria das bestas dos meus amigos que se manifesta através de um perfurante “que estupidez!”. A verdade é que poucos temas são tão polarizantes como este. Nem “Trump versus Hillary” ou “Coca-Cola versus Pepsi” divide tanto a opinião das pessoas. Em termos da ausência de consenso, o tema “Não Queremos Saber o Sexo da Criança” fica apenas atrás do eterno “Qual o pior dos irmão Baldwin?”. (dica: não é o Alec)

Embora me sinta tentado para concordar com os seres unicelulares que são os meus amigos, uma vez que, sabendo o sexo da criança, há todo um conjunto de assuntos logísticos que se podem preparar de forma mais detalhada, a verdade é que tem sido “fixe” não saber. Primeiro, conteve o nosso impulso capitalista de uma forma que deixaria Fidel Castro orgulhoso. Em segundo, já ninguém usa o termo “fixe” porque é algo dos anos 90. Por fim, e sendo excessivamente cliché, o que importa é que seja saudável... e que seja a/o primeira/o campeã(o) de um título de Grand Slam em ténis. #baixasexpectativas

Mas só para deixar claro: nós não queremos saber o sexo da criança, até ao nascimento! Após o parto, é totalmente expectável que o sexo da criança seja distinguível para nós. Caso contrário, algo está muito errado e sou totalmente a favor de pôr a criança numa cesta e lança-la ao Tejo. Afinal de contas, funcionou com Moisés.

O motivo por trás da decisão de não saber o sexo da criança é, naturalmente, a minha namorada! Ela achou que seria giro não sabermos e eu decidi que gostava de saber, mas não ao ponto de comprar uma discussão com uma grávida, por isso decidi alinhar. Aliás, é essencialmente esse o meu papel até ao final da gravidez: “Fofinha, claro que reservar o infantário quando só estás grávida de 2 meses não é cedo de mais. Aliás, até devíamos já fazer a inscrição na faculdade. Eu estou a pensar Física Quântica no M.I.T., e tu?”.

Gosto de pensar que tenho cumprido com o papel de pai em formação. A minha namorada poderia discordar e, nesse sentido, teria de concordar com ela, mas só porque tem mesmo de ser.


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Mas... o que é isso da Disciplina Positiva?

Comecei a tomar contacto com "isto" da Disciplina Positiva através duma amiga minha (obrigada CP), juntei-me a um grupo sobre isso no Facebook, fiquei mais curiosa ainda e comecei a ler um livro sobre isso. Algum tempo depois apareceu a Natália, fundadora inicial desse grupo, que além de bastante solícita, sempre muito informada nas respostas que dá a todas. Achei que poderia ser interessante para todas nós. 


Por que é que estou a entrevistá-la sobre Disciplina Positiva, Natália? Porquê a si? Vá, isto é uma maneira pseudo-discreta para pedir que se apresente e para dar motivos às outras mães para confiarem em si.

Imagino que me esteja a entrevistar porque leu algo que escrevi em resposta a alguma questão sobre educação ou porque mais recentemente ouviu algo que disse num vídeo ou num áudio que publiquei. E, além disso, imagino que outra razão  possa ser o facto de eu ser mãe de 4 filhos e de ter adquirido algum conhecimento sobre Disciplina Positiva e outras abordagens que podem fazer sentido às pessoas, mesmo sem saber o que significam ao certo. A curiosidade e a vontade de educar os filhos para um mundo melhor poderia ser igualmente uma razão. Não sei como é que as pessoas me encontram, mas espero que seja útil e, se gostarem da minha forma de estar e de não julgar, se calhar até ficam com uma ou outra ideia de como poder alcançar o sonho de educar os filhos da forma como idealizam em vez de cair em padrões de como foram educadas e que, no fundo, não querem repetir.

Sei que a Natália não acredita em "certificados", mas pode mencioná-los? Assim talvez consigamos chegar a mais mães que leiam a sua conversa com mais atenção. O que me diz?

As minhas qualificações mais importantes são os meus 4 filhos, o meu marido e outras pessoas chegadas que me ensinam a manter uma relação com eles de forma autêntica e compassiva, sempre que me é possível. E, provavelmente, os mais de 11 anos de parentalidade e comunicação não-violenta que tenho estudado na "escola da vida". Além disso, "formei-me" (são formações para  voluntariado e sem reconhecimento oficial de alguma "autoridade", acho eu :)) para ser moderadora da Attachment Parenting International (mais recentemente chamam isso de Parentalidade por Apego em Portugal, mas há anos dizíamos Educação Intuitiva) e  também da Liga La Leche. Também tenho estudado e vivido isto da comunicação não-violenta (com a BayNVC e com a "minha" professora Sarah Peyton www.empathybrain.com). Sou também educadora parental de Disciplina Positiva e estudei um ano num seminário avançado com o autor do livro Playful Parenting (Educar a brincar). Fiz mais coisas, mas enumerá-las, a meu ver, não prova nada. Por isso, comecei a fazer recentemente áudios e vídeos para que as pessoas me possam ver e ouvir, decidir se gostam de mim e das coisinhas que tenho para dizer. No fundo, quero que as pessoas descubram por elas próprias se aquilo que eu lhes apresento faz algum sentido.




Por que é que as pessoas associam a disciplina positiva àqueles "hippies que mesmo que mesmo que a filha bata, dizem que está tudo bem, apesar dela continuar a bater" (a frase é de alguém que nunca leu sobre isto)?

Na minha opinião, é pelo  desconhecido nos causar, muitas vezes, desconforto que resistimos essas coisas, por não sabemos o tipo de problemas que poderia causar. As pessoas tendem a associar a palavra "disciplina" a coisas más (eu associo à  imagem de um militar que grita para um grupo de soldados ;)) e, frequentemente, essas associações estão relacionadas com "algo que tem que ser aprendido de forma dura" e com a disciplina física (a tal palmada que não faz mal a ninguém por ex). No mundo da parentalidade parece haver muitos "extremistas": há os que defendem a não-violência e há os outros que acreditam que só com violência é que se chega ao destino.. Sendoo destino um adulto funcional e inserido na sociedade, digo eu.

O que é, afinal, a disciplina positiva? E por oposição a quê?

A Disciplina Positiva é uma abordagem que combina a amabilidade com a firmeza e que se baseia no respeito mútuo, no envolvimento das crianças na resolução de problemas e que se foca no desenvolvimento de pessoas capazes.

A Jane Nelsen (que escreveu grande parte do livros sobre a Disciplina Positiva, alguns em conjunto com a  Lynn Lott) fala em 3 abordagens principais de parentalidade. A Severidade que é o controlo excessivo, a Permissividade que significa a ausência de limites e a Disciplina Positiva baseia-se na firmeza com dignidade e respeito.





Todos os pais conseguem por em prática os pilares da disciplina positiva? Mesmo os mais enervados? Mesmo os mais cansados? Mesmo os que trabalham muito? É só uma questão de querer muito?

Bem, eu quero muito acreditar que sim,  que mesmo em circunstâncias difíceis é possível aplicar os conceitos da Disciplina Positiva. Digo isso porque a Disciplina Positiva protege os pais do cansaço extremo e permite guardarmos os nossos escassos recursos para quando forem mesmo necessários. A Disciplina Positiva defende que as crianças devem ser autónomas e encorajadas a contribuir para o bem-estar da família e para terem consideração por outros seres e também para com o planeta, diria.

Vejo a DP como um conjunto de linhas orientadoras e ferramentas que facilitam a vida à todos. Ajudam os mais enervados manterem a calma (por gritarem e ralharem menos), aos cansados permite encorajar os filhos a ajudar e fazerem o que sabem fazer sozinhos, aos que trabalham muito dá umas ferramentas valiosas para que possam aproveitar o tempo que têm de forma positiva (porque oferece boas ferramentas de gestão de tarefas e de conflitos e ensina  cooperação e o respeito mútuo). Quanto a ser uma questão de "só querer muito" não tenho bem a certeza, porque  acredito que, para atingirmos algo, às vezes é necessário orientação, suporte e dedicação, mas para isso estou cá eu e imagino outras pessoas que possam ajudar a manter o foco naquilo que queremos atingir. 

Contudo, o primeiro passo terá que ser dado pelos pais e depois sim poderá tornar-se numa viagem em conjunto com outros pais e com a minha ajuda da minha, se for desejado.

Falhar não é fracasso, certo? Na disciplina positiva pode-se pedir desculpa e tentar de novo, certo?

Na Disciplina Positiva vemos os erros como oportunidades de aprendizagem, focamo-nos numa possível solução em vez de apontar o dedo e procurar o culpado. Aliás, reconhecer perante os nossos filhos que erramos, ensina-lhes muita coisa importante, como por exemplo que os adultos não são perfeitos e que, muitas vezes, temos o poder de emendar os nossos erros, assumindo responsabilidade pelos nossos actos e aprender com isso.

Pode dar alguns exemplos de como aplicar a disciplina positiva para resolver as seguintes situações? Claro que tudo depende da idade das crianças.





- A criança que, no supermercado, não para de apontar para tudo e fazer birra caso a mãe não lhe dê as coisas para a mão.

Aconselho a ferramenta chamada "Escolha limitada". Pode dizer à criança que pode escolher entre duas coisas: ou brincar com o brinquedo ou ler o livrinho que trouxe (não se esqueça de ir prevenida). Às vezes deixava que os meus filhoa vissem fotos no telemóvel, durante as compras. Se os filhos querem ajudar nas compras, acho que é algo a encorajar, de forma adequada à idade. Quando uma criança pede coisas que não estão na lista, isso pode ser uma boa justificação. Ex.: a criança quer gomas, nós olhamos para a lista e dizemos "Ohhh não tenho aqui gomas na minha lista, eu acho que só compramos essas gomas para as festas de aniversário...e quando é que fazes anos? Ah já só faltam 3 meses e quantos anos fazes...". Com alguma sorte a criança ficou distraída ;)

Também quero chamar à atenção para o facto de que o tipo de relação que pais e filhos têm, tem muito a ver com este tipo de comportamento. Por isso, se quer mudar algumas coisas mais enraizadas na sua dinâmica familiar, mais vale pensar em investir um tempinho para participar num workshops ou num curso virtual para aprender algumas ferramentas novas e receber eventualmente orientação personalizada para que a mudança seja duradoura e à medida da sua família.

- A criança que não empresta os brinquedos a ninguém e que "tira os brinquedos de todos os outros".

Conheço poucos adultos que me fossem emprestar o portátil ou telemóvel, muito menos num parque público ou numa instituição (digamos no hospital ou na sala de espera nas finanças) ;).

Há muitas formas de lidar com uma situação destas, depende um pouco da personalidade do adulto e se o mesmo se sente capaz de optar por uma brincadeira ou se está numa situação desconfortável - pode estar rodeado de pessoas estranhas e querer ficar bem-visto. Aos olhos da Disciplina Positiva a partilha não é algo que se deva esperar antes dos 3 anos de idade e meso depois a aprendizagem da partilha é complexa e exige tempo e passos pequenos. Podemos modelar a partilha (e se pensar bem não é algo que as crianças observem com muita frequência) por exemplo na mesa ou durante o dia com outros membros da nossa família.

Também pode ajudar ter brinquedos que são para partilhar e outros que claramente que não. É igualmente importante aprender a respeitar que algo pertence a alguém e que não o podemos ter tal como é valioso saber partilhar. Mas tudo ao seu tempo e com a devida e necessária maturidade. Partilhar é um conceito complexo e podem-se partilhar mais coisas do que só brinquedos, não se esqueça de ensinar ao seu filho a partilhar sentimentos ou acontecimentos.


- A criança que não quer dar beijinhos aos outros familiares quando os vê.

Aconselho a ferramenta de oferecer uma alternativa (eu pessoalmente acho importante ensinar aos meus filhos que eles são donos do seu corpo e não têm que deixar, à partida, ninguém fazer nada que não queiram...e convido-o a pensar uns anos mais à frente quando, por exemplo, a sua filha já é uma adolescente e um rapaz pede beijos ou algo que ela no fundo não quer dar/fazer). Podia dizer, por exemplo, "Não precisas de dar beijinhos, mas podias dar uma festinha ou dizer olá (agora imagino familiares e amigos a derreterem-se igualmente com uma festinha do que com um beijinho). Forçar não me parece ser uma opção, por isso resta-nos pedir para a criança cooperar ou oferecer alternativas aceitáveis.


- A criança que não pára de chamar pela mãe enquanto a mãe não lhe responder e vai subindo o volume.

Dependendo da verdadeira disponibilidade da mãe, que tal prestar atenção ao que a criança precisa e depois continuar a fazer o que estava a fazer? Se for um problema constante ou muito recorrente aconselho a olhar para a razão deste tipo de comportamento e observar mais de perto a dinâmica familiar.


- A criança que não quer ir dormir e que faz uma birra enorme.

Agora teria que saber mais detalhes... Por exemplo, será que a criança está com muito sono e passou da hora de deitar? Será que a criança tem medo e não quer ficar sozinha? Geralmente há ferramentas que facilitam as rotinas, mas muito depende da idade e do tipo de desafios.



No entender da Disciplina Positiva, o que são birras?

A meu ver, uma birra é a expressão de frustração, de uma maneira algo infeliz. Na Disciplina Positiva defende-se que qualquer comportamento é, no fundo, um pedido para ser amado. Por isso, da próxima vez que o seu filho faça uma "birra" imagine que ele vestido tenha uma t-shirt a dizer, em letras grandes  "Só quero ser amado!"

Por que é que o castigo não funciona?

O castigo funciona (geralmente a curto prazo, porque a longo prazo causa danos indesejáveis para a maior parte dos pais), mas vem a com um preço que nem toda gente está disposta a pagar. O preço do castigo a curto prazo é uma disrupção imediata da proximidade e de diminuir ou até eliminar a vontade de cooperar por parte da criança. Qualquer bom comportamento que venha a seguir a uma palmada ou um castigo está baseado em medo de violência ou de retirada do amor parental. A mensagem dada a curto e a longo prazo é a de que o comportamento é mais importante do que a relação e que não queremos saber o que se passa com a criança, mas sim que só queremos que se porte bem. Assim, ensinamos valores que a curto, médio e longo prazo causam mais problemas do que resolvem.



O que faz uma palmada? Mesmo os "enxota pó" das fraldas são de evitar ou dar-lhes um incentivo para se desfocarem das situações é aceitável?

Uma palmada pode fazer muita coisa, dependendo do tipo de relação que existe entre o palmador e o palmado ;). E também importa se é a primeira palmada ou a milésima. Eu acho que a pergunta "O que vai aprender com esta palmada?" mais interessante para ser sincera, mas também sei que quando estamos sem recursos (exaustas e sem paciência), não é disso de que nos vamos lembrar.  Se calhar, podemos antes pensar a) o que podemos fazer se não queremos dar palmadas ou incentivos e b) o que podemos fazer se o fazemos na mesma? Neste caso eu ia responder que ter ideias e ferramentas para saber como lidar com situações difíceis sem recorrer a palmadas e incentivos exige alguma aprendizagem e estudo.  Mas vale a pena porque são ferramentas que ajudam a fomentar relações duradouras e saudáveis que se baseiam em respeito mútuo e assim tornam-se num modelo de estar na vida para os nossos filhos. Quanto aos casos em que já aconteceu, temos a oportunidade de aprender (e ensinar) como ser responsável pelos nossos próprios actos e em vez de dizer "A culpa de te ter dado uma palmada foi tua porque te portaste mal", podemos dizer "Peço desculpa por ter te dado uma palmada, no fundo nem acredito que isto melhora a situação e também não quero que aches que não te amo. Estou cansada e está calor e se calhar preciso um copo de água e duma uma pausa, podes ajudar-me?"

Não sou amiga de incentivos, pelo simples facto de colocar a motivação no exterior em vez desta ser interna. Isto é obviamente  um assunto complexo, mas de forma resumida pode se comparar ao "fazer algo de bom porque queremos fazer isso" ou se "fazer algo de bom porque queremos receber algo em troca". Eu prefiro que as pessoas actuem de forma genuína, sem quererem algo em troca.

O que devem os pais fazer para conseguir implementar as sugestões da Disciplina Positiva? O que pensar quando se erra?

O primeiro passo, no meu entender, é ter noção daquilo que é a Disciplina Positiva. Aprender os critérios e as ferramentas que a mesma oferece. Infelizmente o livro da Jane Nelsen - Disciplina Positiva está esgotado em Portugal e não me parece que vai ser re-editado tão cedo. 

Quando se erra, o melhor, digo eu, é  assumir a responsabilidade. Por isso,  procurar alguém que não nos julgue para poder expressar os nosso sentimentos e depois disso pensar numa maneira de aprender com o sucedido, pode contribuir para uma aprendizagem. Isto pode ser num grupo onde haja algum conhecimento sobre as ferramentas da Disciplina Positiva ou falando comigo, por exemplo.



Vai haver um encontro em breve, onde a Natália irá dar as suas dicas. Quer falar-nos nos detalhes e nos conteúdos? Estamos todas convidadas?

Vai haver dois eventos no mês de Julho, um é virtual no dia 18 de Julho e o outro vai ser em Oeiras no dia 26 de Julho. Vou falar dos critérios da Disciplina Positiva e de algumas ferramentas. Estarei disponível para perguntas e abordaremos situações que tenham surgido na vida das pessoas.

Estão convidados. No evento virtual há 25 lugares, mas quem não conseguir entrar pode ouvir a gravação. Em Oeiras não coloquei limite de vagas porque quero que as pessoas tenham a oportunidade de encontrar outras pessoas igualmente interessadas na Disciplina Positiva. Podem ver os detalhes dos eventos aqui.

Para além da disciplina positiva, que outras "correntes" sugere que as mães se informem ou tenham atenção?

A resposta mais sincera que posso dar é: "Investiguem SEM FALTA ;) o Educar a brincar (Playful Parenting)!"

Quer recomendar alguns livros para ler?

Infelizmente não há muitos livros em português que eu tenha lido acerca desses assuntos, eu leio muito em inglês e às vezes em alemão.


As nossas leitoras podem deixar dúvidas nos comentários que a Natália depois vem cá dar uma ajudinha? Ou, o que recomenda para que elas tenham ajuda quando precisarem?

Venho cá com todo o gosto responder aos comentários e para terem ajuda podem juntar-se ao grupo da Disciplina Positiva no facebook aqui e para ficarem informadas podem subscrever a minha newsletter aqui.

sábado, 13 de dezembro de 2014

O dia em que desovei a Isabel


O parto é o talvez o momento mais temido pelas mulheres. Nunca tinha pensado muito nisso, mas quando estava grávida adorava ouvir histórias de partos, desde que não me contassem que a criança teve de ser novamente empurrada para dentro e que tinham levado pontos até ao pescoço e coisas levezinhas do género. Adorava ver vídeos no Youtube de gente a desovar. Não sei bem o que desceu em mim, mas eu achava aquilo lindo, emocionava-me e não sentia medo nenhum. Queria estar ali, no lugar daquelas mulheres.

E no dia 15 de março, esse dia chegou. Lá fora estava um lindo dia de sol. Estava grávida de 39 semanas e três dias. Acordei cedo, fui lavar roupas da Isabel, estava a passar a ferro e senti algo diferente. Seria ruptura da bolsa? 

- “David, acho que me rebentaram as águas!”
- “E posso dormir só mais um bocadinho?”, ouvi da boca do pai da criança.
- “Podes, então não podes… seu preguiçoso insensível!” 

Incrível como eles absorvem só o que lhes interessa das aulas de preparação para o parto… Pelo sim pelo não, obriguei-o a levantar-se e fomos ao hospital. Parecia falso alarme. Mandaram-me caminhar e voltar lá uma hora depois. E lá fui eu, toda descontraída dar uma voltinha ao Colombo, com a pulseirinha do Hospital. 

Afinal estava mesmo a perder líquido, ia ficar internada. A Isabel vinha a caminho. Eram 13h30. Até às 02h48 do dia seguinte ficámos à espera da Isabel. Não posso dizer que tenham sido horas de sofrimento, porque adorei aquele dia. Para mim, foi um parto humanizado, mesmo sendo num hospital privado. O David estava ao meu lado, as enfermeiras eram óptimas conversadoras e muito gentis, e acho, pelo menos à distância, que o tempo passou bem rápido. Quer dizer, até ao momento daquelas contrações. Aquelas… Ai! Mas eu queria continuar na bola de pilates a acelerar a dilatação, por isso adiei a epidural ao máximo. 

Chegou a um momento em que não dava mais. Pensei “isto não é suportável!”. O David massajava-me as costas para que eu me distraísse da dor. “Chega, não consigo mais!” Pensei nas heroínas que aguentam tudo, até ao fim. Eu quis a epidural. Na televisão estava a dar o estoril-marítimo e demos algumas gargalhadas à conta disso. Epidural e todo o conforto do mundo, até passei pelas brasas. A espera, mas nunca o medo. Inspira, expira, inspira, expira. As dores a tornarem-se insuportáveis outra vez. Hora do reforço da epidural. Sede, tanta sede e tanta vontade de conhecer a Isabel. Nunca mais vinha. Aí sim, lembro-me do tempo ter abrandado. 

A nossa médica chegou, acabada de chegar da Alemanha. Por SMS disse-me “vou fazer o seu parto”. Quase chorei de emoção. Ela era obstetra com que sempre tinha sonhado para aquele momento. Calma, doce, de sorriso fácil. A deixar-me tranquila, sempre. Nunca duvidei dela, nunca. Eu dizia piadas e estava bem disposta. O ambiente era calmo, repleto de risos. As enfermeiras eram de uma alegria, entrega e dedicação que nunca esquecerei. 

Eu estava pronta. No caminho para a sala de partos, respirei fundo e pensei na sorte que tinha. Pedi para que tudo corresse bem. Foram 10 minutos, não mais. Tivemos a ajuda da ventosa, mas nada disso me assustou. Entreguei-me nas mãos da médica que 8 meses antes me tinha anunciado, numa consulta de rotina, "está grávida!". A primeira pessoa que soube que eu ia ser mãe e me viu chorar de alegria, no dia 29 de julho. Tinha a Isabel apenas 7 semanas e tanto podia ser Isabel, como Sofia, como Pedro. 

Vinha aí, agora é que era. O pai da Isabel ao meu lado e o milagre a acontecer. Eram 02h48. Senti um corpo quente e irrequieto em cima do meu corpo. Era a minha filha. Massajaram-na, chorou. Nunca esquecerei o primeiro choro. Ri-me, ri-me muito, descontroladamente. Eu que sempre fui chorona, naquele momento tive um ataque de riso. Uma adrenalina como nunca tinha sentido. Puseram-na junto a mim, no peito, estava a chorar e acalmou com o som da minha voz. Arrepiante. Emocionante. Inesquecível. Fiquei com o rosto com marcas de sangue de tanto a beijar. 

3,680kg, tudo perfeito. Prontas para ir para o quarto, fizemos o trajecto juntas, foi a mamar e ficámos a olhar uma para a outra, a conhecermo-nos. Já no quarto, o pai pegou-a ao colo. Ali sim, chorei, chorei muito. Que momento lindo! O pai, o meu amor, com a Isabel nos braços. Os meus grandes amores.




E o vosso parto, como foi? Contem-nos tudo!

terça-feira, 24 de maio de 2016

a Mãe é cabaz de tudo - Dia da Criança!

Pois é, vem aí o Dia da Criança e nós, como grandes mãos largas que somos, queremos presentear os vossos filhotes (só um, que isto também não pode ser assim tudo à grande e à francesa) com um Cabaz de presentes.

Sim, a Mãe volta a ser Cabaz de tudo! Isto vai parecer a montra do Preço Certo, preparem-se!

Tchan tchan tchan!!!

A Marydoll não só tem um poster - já com moldura, em A4 - para oferecer, como ainda acrescentou ao cabaz uns Deco Stickers.




Para ajudar na tarefa de andar sempre com a casa às costas, temos uma mochila gira da Su and Kids Tuc-Tuc para oferecer. Podem escolher entre estas três:





Desta marca giríssima, a Tsuru, poderão optar entre as jardineiras Caparica e os calções Amorosa (ao vivo são ainda mais lindos!).




Um par de sapatos de qualidade made in Portugal dá sempre jeito, por isso da Trutué vão ter quatro opções para escolha: carneira de franja, carneira de velcro, carneira de botão ou feijão (eu já sei quais escolheria!).




Da Branco & Alecrim podem esperar uns lençóis queridos e personalizados para o berço, cama de grades ou de solteiro do vosso rebento.



Para a princesa ou para o príncipe aí de casa, sai um colar Principessa, à vossa escolha. E para a Mãe não ficar de mãozinhas a abanar, também poderá escolher um colar destes para usar com o(a) filhote(a).

 

A Catavento, uma das lojas mais giras de Santarém, vai presentear-vos com um jogo de memória, de madeira, da Capuchinho Vermelho.



A Marcador vai oferecer um livro -  A Viagem de Peludim -, que aborda aquelas questões mais difíceis "de onde vim?" ou "como nasci?", promovendo a igualdade de género e o respeito pela diferença. Mesmo que os vossos filhotes sejam pequeninos, como as nossas, fica já na biblioteca para daqui a uns aninhos.



E porque um passeio em família é dos presentes mais inesquecíveis que lhes podemos dar, vamos ter ainda quatro bilhetes (crianças e/ou adultos) para o Jardim Zoológico de Lisboa.



O que fazer para participar? 
1) Um like em cada página dos nossos parceiros: 
- atenção que já deitamos o Facebook abaixo uma vez com um cabaz, por isso, verifiquem antes do final do passatempo se os vossos likes se mantêm!



 

 

2) Partilhar o post do passatempo no Facebook publicamente, no perfil pessoal.
3) Identificar três amigos(as) no post original do Facebook.

Este post:




Identificaram os três amigos/amigas no post original? Só podem participar UMA vez.

As participações serão válidas até às 23h59 de dia 31 de maio de 2016. 

O vencedor será escolhido através de random.org. e será anunciado no dia seguinte. Deverá contactar-nos por e-mail para amaeequesabeblog@gmail.com. 
Iremos pô-lo em contacto com todas as marcas do cabaz, que irão agilizar o processo directamente com o sortudo ou sortuda.


Boa sorte!